Folha de S. Paulo


Hotéis correm atrás de seus hóspedes para oferecer estilo de vida saudável

Funcionários que praticam corrida, frigobares abastecidos com produtos de fazendeiros locais e uma parede de treinamento que é padrão em todos os quartos. A indústria hoteleira dos Estados Unidos está indo para além das academias no subsolo e cardápios básicos de spa para acomodar os crescentes pedidos de hóspedes para se manter saudáveis em viagens.

A tendência tem sido um esteio de spas e resorts de bem-estar por anos, mas agora hotéis frequentados por viajantes a negócios e famílias estão mostrando que a vida fora de casa não precisa significar um sacrifício da aula de spinning ou uma tigela de superalimentos como quinua.

Hotéis boutique e de luxo, bem como grandes marcas como Westin e Wyndham, fizeram vastas expansões dos programas de fitness e de opções de comida em anos recentes. A academia de luxo Equinox está até abrindo um hotel próprio em Nova York.

O número de hotéis com instalações de fitness pulou de 63% em 2004 para 84% em 2014, segundo um estudo da Associação Americana de Hotéis e Hospedagem. E os lugares que oferecem equipamentos para exercícios dentro do quarto quase dobrou nos últimos dez anos, de 7% para 13%, de acordo com o estudo.

"É o que o mercado tem demandado", diz Dena Roché, especialista em viagens de bem-estar e editora do site The Travel Diet. "As pessoas estão tentando assimilar em seu dia a dia um estilo de vida mais saudável, e quando vão para a estrada querem a manutenção disso".

Nos hotéis Even, todos os quartos têm uma área de treino com tatame de ioga, uma bola de exercício, um rolo de espuma e uma parede de fitness com elásticos, mais 19 vídeos de exercícios para ajudar os hóspedes a suar.

Quem fica na rede Wyndham pode solicitar um quarto abastecido com uma máquina de exercícios (como uma bicicleta estacionária, um equipamento de elíptico ou uma esteira) e roupa de ginástica gratuita. A bandeira W fez uma parceria com a popular iogue Tara Stiles para vídeos de ioga gratuitos e conjuntos de cartas espalhados pelo quarto com dicas e sugestões de posições para relaxar, acordar ou entrar no clima.

"A tendência tem atingido um ponto de inflexão no qual há adoção de massa de elementos de bem-estar em todos os aspectos da vida", diz Jason Moskal, vice-presidente da rede Intercontinental Hotels Group, dona da marca Even –que tem três unidades, incluindo uma em Nova York, e planeja abrir oito mais, em locais como Miami.

"Todos procuram por um aspecto diferente. O hotel foi pensado com essa ideia, de oferecer bem-estar nos termos próprios de cada um", conta.

Aulas de ioga no telhado são a moda em hotéis ao longo dos Estados Unidos, incluindo o James Hotel, em Nova York, e o Mondrian South Beach. Hóspedes no The Standard, em Miami Beach, também podem aproveitar sessões de frente para o mar, fazer aulas de stand-up paddle e tomar sucos verdes do bar do hotel. O spa, que oferece uma variedade de aulas de fitness para hóspedes, também é um centro de sessões de ioga orientadas por alguns dos melhores professores do mundo.

Os loucos por spinning só precisam descer as escadas no 1 Hotel South Beach para uma aula especial.

Esqueceu de colocar na mala suas roupas de academia? Sem problemas. A Trump Hotels e a Fairmont fizeram parcerias com a Under Armour e a Reebok, respectivamente, para vestir seus treinos.

Um programa de empréstimos da Westin com a New Balance teve um aumento de 16% nos pedidos em 2015. Na unidade do hotel na Grand Central, em Nova York, mais de 2.000 hóspedes pagaram US$ 5 para usar um novo par de tênis e roupas, entregues no quarto.

O kit de corrida da rede Kimpton inclui um mapa da pista do rio Hudson e um iPod com músicas pré-selecionadas. A Fairmont e várias outras redes têm programas de corrida, que podem contar, entre outras coisas, com "concierges de treinos" –como no caso de quase 200 locações da Westin.

Essas ofertas vêm sendo reforçadas conforme clientes –particularmente os mais jovens– dizem que elas são um dos fatores decisivos na escolha de onde vão se hospedar.

Segundo uma pesquisa de 2015 da empresa de marketing de hospedagem e viagem MMGY Global, 45% dos millenials e 38% dos representantes da geração X dizem que spas e centros de fitness exercem influência na escolha de onde eles reservam quartos.

Diversas cadeias de hotéis também têm focado nos "ratos de academia" ligados em tecnologia. O Trump SoHo tem um novo programa que empresta gratuitamente aos hóspedes uma pulseira Fitbit Charge para ajudar a medir se eles alcançaram sua meta diária de caminhada. A Westin também está firmando uma parceria com a Fitbit para oferecer de forma personalizada vídeos de exercícios para os hóspedes fazerem download em seus telefones.

E nem precisa se perguntar se há opções sem glúten nos restaurantes desses hotéis. A maioria renovou os notórios menus carregados de calorias dos serviços de quarto.

O hotel Epiphany, em Palo Alto (Califórnia), oferece a seus hóspedes uma geladeira abastecida com produtos de um mercado de fazendeiros locais, sucos verdes e barrinhas caseiras, por US$ 95. A rede Kimpton revisou os cardápios do "room service", substituindo farinha branca por quinua e aveia.

A Westin desenvolveu um menu SuperFoodsRx [marca de superalimentos americana] e a Trump têm menus rápidos para clientes ligados em saúde, nos quais vegetais salteados e tofu podem ser entregues no quarto em 15 minutos ou menos.

"Essa é definitivamente uma escola de estilo de vida que veio para ficar", diz Ivanka Trump, vice-presidente executiva das Organizações Trump. "Em vez de fazer com que a viagem seja um impedimento à manutenção das metas de nutrição e fitness dos hóspedes, queremos ajudá-los a ter sucesso em seu estilo de vida mais saudável e balanceado em suas viagens".


Endereço da página:

Links no texto: