Folha de S. Paulo


As mulheres que a tecnologia esqueceu

Enquanto passavam o verão de 2007 em Aspen, Colorado, Walter Isaacson e sua mulher, Cathy, ficaram insistindo com sua filha para que concluísse seu trabalho obrigatório para a faculdade. Finalmente, depois de muita insistência de seus pais, Betsy Isaacson trancou-se em seu quarto até sair com um texto de duas páginas pronto.

"Parabéns, Betsy", Isaacson se recorda de ter dito. "Você escreveu sobre o quê?". "Ada Lovelace", foi a resposta. Seguiu-se um silêncio longo e incômodo. Isaacson, que estava começando a escrever uma biografia de Steve Jobs, não se lembrava de quem era Lovelace.

"Ela é uma das mulheres que foram excluídas da história da computação", sua filha respondeu. Embora algumas pessoas do mundo da tecnologia já tenham ouvido falar dela, Lovelace, que viveu de 1815 a 1852, é quase desconhecida.

Alfred Edward Chalon/Science & Society Picture Library
Ada Lovelace, filha de Lord Byron e uma das pioneiras da computação
Ada Lovelace, filha de Lord Byron e uma das pioneiras da computação

O fato de pessoas frequentemente serem deletadas da história de empresas de alta tecnologia não é segredo. Essa prática é tão comum no Vale do Silício que é conhecida como "o mito da criação". Mas algo que talvez surpreenda é o número de mulheres que exerceram papéis cruciais mas foram esquecidas. Esse é um dos temas centrais do novo livro de Isaacson, "The Innovators: How a Group of Hackers, Geniuses, and Geeks Created the Digital Revolution" ("Os Inovadores - Uma Biografia da Revolução Digital", Companhia das Letras).

Os Inovadores
Walter Isaacson
livro
Comprar

O livro poderia ter sido intitulado "Os Colaboradores". Cada capítulo reforça a premissa fundamental que Isaacson fez a partir de 15 anos de pesquisas: que cada inovação tecnológica, quer tenha sido o código de programação, os transístores, os computadores pessoais ou a internet, foi construída por grupos de pessoas (que, na maioria dos casos, se inspiraram em ideias passadas). Mas, enquanto vários dos homens envolvidos viraram celebridades, a maioria das mulheres foi esquecida.

O papel de Ada Lovelace na tecnologia, por exemplo, é tão fundamental que sua história forma os capítulos inicial e final do livro. Matemática e escritora inglesa, ela escreveu o primeiro algoritmo de computador, propôs a ideia de que as humanidades e a tecnologia devem conviver e idealizou o conceito da inteligência artificial.

"Ada Lovelace definiu a era digital", disse Isaacson em entrevista recente sobre seu livro.

Lovelace foi praticamente ignorada também em seu próprio tempo. Em 1843, quando suas anotações seminais sobre computação foram apresentadas ao "Scientific Memoirs", um periódico científico inglês da época, os editores recuaram e disseram a um colega dela, Charles Babbage, que ele, "como convém a um homem", deveria assinar o texto no lugar de Lovelace.

A exclusão das mulheres reforçou estereótipos sobre mulheres e tecnologia e, na América, pode ter levado as mulheres a desinteressar-se pelo assunto. Em 1985, 37% dos diplomas universitários em ciência da computação foram conquistados por mulheres. Em 2010 esse número tinha caído pela metade, para 18%. Hoje apenas 0,4% das primeiranistas universitárias dizem que querem estudar ciência da computação como disciplina principal.

Essa tendência é visível nas grandes empresas do setor. Na Google, 83% dos engenheiros são homens. Dos 36 executivos e gerentes de mais alto escalão da empresa, apenas três são mulheres. Oitenta por cento da força de trabalho tecnológica da Apple é formada por homens. E 85% dos profissionais de tecnologia do Facebook são homens, também.

"Os estereótipos têm um efeito de autorreforço, porque nós, como seres humanos, esperamos ver o que nos é familiar", comentou Sheryl Sandberg, executiva operacional-chefe do Facebook. Para ela, é imperativo desmentir o mito de que as mulheres não se interessam por tecnologia.

Frank Franklin II - 9.abr.14/Associated Press
Sheryl Sandberg, executiva-chefe de operações no Facebook, em entrevista em Nova York
Sheryl Sandberg, executiva-chefe de operações no Facebook, em entrevista em Nova York

Reshma Saujani, do grupo Girls Who Code (meninas que escrevem código), que quer eliminar o abismo de gênero, concorda. "Se as mulheres tivessem sido mais mencionadas e tivessem mais destaque na computação, tanto nos livros de história quanto na escola, não faltariam programadoras mulheres, como acontece hoje", disse.

Walter Isaacson escreve que parte do problema está no modo como o mito da criação visa converter indivíduos, e não o grupo, em heróis.


Endereço da página:

Links no texto: