Folha de S. Paulo


A oito dias do Halloween, conheça 10 cidades-fantasma

Da "Ilha das Bonecas", no México, a uma estação baleeira, na Antártica: a oito dias do Halloween, quem achar que onde mora não é assustador o suficiente, pode conhecer algumas das várias cidades-fantasma espalhadas pelo planeta.

Ilha de Hashima, Japão

Eugene Hoshiko/AP
In this June 29, 2015 photo, a tourist boat arrives at Hashima Island, commonly known as Gunkanjima, which means “Battleship Island,” off Nagasaki, Nagasaki Prefecture, southern Japan. The island is one of 23 old industrial facilities seeking UNESCO's recognition as world heritage “Sites of Japan’s Meiji Industrial Revolution” meant to illustrate Japan's rapid transformation from a feudal farming society into an industrial power at the end of the 19th century. UNESCO’s World Heritage Committee is expected to approve the proposal during a meeting being held in Bonn, Germany, through July 9. (AP Photo/Eugene Hoshiko) ORG XMIT: XEH412
Vista da ilha de Hashima, também conhecida como "Ilha do Encouraçado", no Japão

Conhecida como a "Ilha do Encouraçado", a Ilha de Hashima, no Japão, hospeda instalações de extração de carvão abandonadas e vários edifícios empoeirados e em estado de desmoronamento que um dia pertenceram aos trabalhadores da área.

Desde 1974, por causa do encerramento do funcionamento das instalações, Hashima está abandonada. No passado, a região chegou a receber 5 mil pessoas, enquanto atualmente faz parte de dezenas de percursos turísticos.

Pripyat, Ucrânia

Sergei Supinksy/AFP
ORG XMIT: SUP2422 A gas mask and a plastic doll are pictured at a kindergarden in the ghost town of Pripyat April 4, 2011. A project to build a new sarcophagus over the damaged Chernobyl nuclear reactor lacks some 600 million euros of the 1.5 billion needed, a Ukrainian official said said last week. The concrete sarcophagus capping the reactor has developed cracks over the past 25 years and is not considered failsafe. AFP PHOTO/ SERGEI SUPINSKY
Sala de pré-escola na cidade abandonada de Pripyat, na Ucrânia

A cidade de Pripyat, onde viviam cerca de 50 mil pessoas, ficou deserta após o desastre nuclear de Chernobyl, o maior e pior acidente do gênero. O lugar é ótimo para se ter ideia de como um centro com grande população pode desaparecer depois de uma tragédia como essa. Acredita-se que se pode ver e escutar almas perdidas e espíritos.

Oradour-Sur-Glane, França

Oliver Laban-Mattei/AFP
FILES - View taken on June 10, 2006 of the J B Baulieu blacksmith ruins in Oradour-sur-Glane village, central France, in which 642 citizens including 500 women and children were killed locked up in a church intentionally set on fire by a SS division 10 June 1944. A German court on December 9, 2014 threw out the case against an 89-year-old former soldier over the Nazis' worst atrocity on French soil, the 1944 massacre in the village of Oradour-sur-Glane. AFP PHOTO OLIVIER LABAN-MATTEI ORG XMIT: OLM52
Vista de ruínas em Oradour-Sur-Glane, cidade abandonada na França, depois que 642 pessoas foram mortas por nazistas

O município de Oradour-Sur-Glane é outro exemplo de cidade fantasma. O destino, agora muito turístico, permanece igual ao que era em 1944, quando os nazistas alemães o invadiram e atacaram os moradores, matando mais de 642 pessoas, incluindo crianças, mulheres e idosos.

Kolmanskop, Namíbia

Jerome Delay/AP
In this July 23, 2013 photo, sand fills an abandoned house in Kolmanskop, Namibia. Kolmanskop, was a diamond mining town south of Namibia, build in 1908 and deserted in 1956. SInce then, the desert slowly reclaims its territory, with sand invading the buildings where 350 German colonists and more than 800 local workers lived during its hay-days of the 1920s. (AP Photo/Jerome Delay) ORG XMIT: NYEG151
Areia preenche casas abandonadas em Kolmanskop, na Namíbia

Kolmanskop também é um lugar, no mínimo, assustador. Esse vilarejo era conhecido pela extração de diamantes feita na região principalmente pelos alemães. No entanto, com a queda do preço das pedras, no fim da Primeira Guerra Mundial (1914 - 1918), o fabuloso e moderno centro de arquitetura alemã no deserto africano foi abandonado.

Com o passar dos anos, as casas foram invadidas pela areia e algumas delas foram até preenchidas por ela. Os turistas podem visitá-las, mas devem ter cuidado com as serpentes e outros animais peçonhentos e venenosos que se escondem na areia.

Humberstone, Chile

Xinhua/Zhang Chuanqi
(131018) -- SANTIAGO, Oct. 18, 2013 (Xinhua) -- Photo taken on Oct. 13, 2013 shows remains in the Humberstone saltpeter works. Humberstone and Santa Laura saltpeter works are located some 50 km east of the city of Iquique, northern Chile. Both works were founded in 1872, and abandoned in late 1950s after the blossom of saltpeter extraction. In 2005 they were declared a World Heritage Site by UNESCO. Humberstone and Santa Laura works contain over 200 former saltpeter works where workers lived in company towns and forged a distinctive communal culture. Situated in desert, thousands of miners lived and worked in this hostile environment, producing the fertilizer sodium nitrate that was to transform agricultural lands in the world, and produce great wealth for Chile. Because of the vulnerability of the structures and because of the impact of a recent earthquake, the site was also placed on the List of World Heritage in Danger. (Xinhua/Zhang Chuanqi) (zw)
Mina de salitre abandonada na cidade de Humberstone

No deserto de Atacama, ao norte do Chile, a cidade de Humberstone pode ainda contar com alguns moradores, cerca de 250, mas é repleta de edifícios empoeirados, abandonados e decadentes. No passado, a região abrigava milhares de trabalhadores das maiores minas de salnitro (nitrato de potássio) do mundo. Atualmente, o lugar é um dos mais incríveis - e estranhos - Patrimônios da Humanidade da Unesco.

Port Arthur, Austrália

A pequena cidade de Port Arthur, na Tasmânia, é considerada um dos lugares mais medonhos da Austrália. A região, além de ser uma colônia de presidiários, sofreu com um horrível massacre em 1996 que matou 35 pessoas e feriu dezenas de outras. Segundo lendas locais, é possível ver espíritos e figuras espectrais e escutar o sino da igreja, que não é tocado há anos.

Bodie, Estados Unidos

Gabriel Bouys/AFP
ORG XMIT: 045101_1.tif Vista de Bodie, cidade que já foi a terceira maior da Califórnia, EUA; em 1962, quando foi fechada a mina de ouro local, Bodie foi abandonada; o governo estadual decidiu conservá-la como um museu. TO GO WITH STORY by Tangi QUEMENER, USA-MUSEUM-TOURISM-HISTORY. General view of the ghost town of Bodie, California, 12 September 2007. The government of California in 2007 took control of the deserted town, founded in 1859 and once California's third largest city behind San Francisco and Sacramento. The town closed in 1962 after the local gold mine closed. The town became a local attraction for tourist, and California has decided to leave the town as it was in 1962. AFP PHOTO GABRIEL BOUYS =MORE IMAGES IN IMAGE FORUM=
Vista de Bodie, na Califórnia; antiga mina de ouro, cidade foi sendo abandonada ao longo dos anos até se tornar um parque oficial na década de 1960

Imersa entre as colinas da cadeia montanhosa de serra nevada, no estado norte-americano da Califórnia, Bodie é uma das principais cidades fantasmas do país. O clássico município minerador do faroeste continua de pé, com tesouros escondidos nas pilhas de pó e enterrados no solo de terra batida. No entanto, é melhor que os caça-tesouros não pensem em levar nada para casa. Lendas dizem que fantasmas perseguem até a morte quem rouba o vilarejo.

"Ilha das Bonecas", México

Divulgação
A Isla de las muñecas, ou Ilha das bonecas, no México
A Isla de las muñecas, ou Ilha das bonecas, no México

A Isla de las Muñecas (Ilha das Bonecas) era a casa do eremita Julian Santana Barrera, que vivia isolado no canal de Xochimilco, ao sul da Cidade do México. Segundo uma lenda, um dia, este homem encontrou uma menina afogada no canal e, para homenageá-la, decorou toda a ilha com dezenas de bonecas.

Com o passar do tempo, o lugar passou a ser um famoso destino turístico, onde os visitantes deixam novas bonecas para continuar a macabra coleção. Em 2001, Julian foi encontrado afogado no mesmo ponto onde a garota teria morrido.

Estação baleeira, Antártida

E por fim, mas não menos assustadora, está uma estação baleeira na Antártica que, após a caça ter dizimado a população de baleias da região, foi abandonada, já que não era mais lucrativa. O que permaneceu do estabelecimento foram embarcações quase naufragadas e enferrujadas, prédios caindo aos pedaços e o sombrio e silencioso cemitério dos trabalhadores.


Endereço da página: