Datafolha


47% foram à Avenida Paulista em 15 de março protestar contra a corrupção

Opinião Pública -

A maioria dos manifestantes presentes à Avenida Paulista no domingo, 15 de março, era do sexo masculino (63%), e 38% eram do sexo feminino. Uma parcela de 14% tinha até 25 anos, 28%, de 26 a 35 anos, 37%, de 36 a 50 anos, e 21%, 51 anos ou mais. A idade média era de 40 anos. Uma parcela de 76% tinha ensino superior, e os demais haviam estudado até o ensino médio (21%) ou fundamental (2%). Uma fatia de 85% fazia parte da PEA (População Economicamente Ativa), com destaque para assalariados registrados (37%), autônomos regulares (11%), profissionais liberais (7%), empresários (14%). A segmentação por renda mostra que 14% tinham renda mensal de até 3 salários mínimos, 15%, de 3 a 5 salários mínimo, 27%, de 5 a 10 salários mínimos, 22%, de 10 a 20 salários mínimos, e 19%, mais de 20 salários. Uma fatia de 4% não informou sua renda mensal familiar.

Sete em cada dez (69%) se declararam de cor branca, e os demais se dividiram entre pardos (20%), preta (5%), amarela (3%) e indígena (1%). Os moradores das regiões sul (28%) e oeste (23%) eram os mais numerosos, e em seguida aparecem leste (14%), centro (13%), norte (9%) e outras cidades (13%).

A parcela dos que já haviam participado de outras manifestações neste ano é de 26%. Neste grupo, a média foi de participação em 3,6 protestos neste ano.
O PSDB é o partido preferido dos manifestantes (37%), e 51% não têm partido preferido. Ampla maioria (94%), porém, não tem filiação partidária, e entre os filiados se destacou somente o PSDB (3%). A fatia dos que disseram não ter ligação com nenhum dos grupos que organizaram os protestos é de 91%. Entre os que declararam ter ligação, 3% disseram fazer parte do Vem pra Rua, 2%, do Revoltados, e 1%, do MBL, entre outros menos citados.

A maioria absoluta (96%) dos presentes na Paulista no domingo avalia o governo da presidente Dilma Rousseff (PT) como ruim ou péssimo, e 3%, como regular. Há ainda 1% que não opinou. No 2% turno da última eleição presidencial, 82% votaram em Aécio Neves (PSDB), 6% não votaram, 8% votaram em branco ou nulo, e 3% votaram na petista Dilma Rousseff, que acabou reeleita.

Espontaneamente, ou seja, sem alternativas previamente informadas aos respondentes, 47% declararam estar na manifestação para protestar contra a corrupção. Um em cada quatro (27%) teve como motivação o impeachment/saída da presidente Dilma Rousseff, e 20% declararam estar protestando contra o PT, de forma geral. A fatia dos que disseram estar na Paulista para protestar contra todos os políticos soma 15%, e 6% foram pedir mais segurança.

A avaliação do trabalho dos deputados e Senadores do Congresso Nacional também é negativa: 77% atribuem a eles desempenho ruim ou péssimo, 19%, regular, e 3%, ótimo ou bom.

Avaliação de instituições

As redes sociais via internet são o meio ou categoria de maior prestígio entre os manifestantes: 83% avaliam que elas têm muito prestígio, 14%, que têm pouco prestígio, e 3%, que têm nenhum prestígio. A imprensa vem a seguir: 61% a consideram com muito prestígio, 30%, com pouco prestígio, e 8%, com nenhum prestígio. Para 33%, a Igreja Católica tem muito prestígio, enquanto 49% avaliam que têm pouco prestígio, e 17%, que têm nenhum prestígio. As Forças Armadas têm prestígio similar (32% consideram que têm muito prestígio, 49%, que têm pouco de prestígio, e 16%, que têm nenhum prestígio).

Em seguida aparece o Poder Judiciário, considerado por 22% com muito prestígio junto à sociedade, por 55%, com pouco prestígio, e por 22%, com nenhum prestígio. Em outro patamar aparecem a Igreja Universal do Reino de Deus (12% a avaliam com muito prestígio, 33%, com pouco prestígio, e 51%, com nenhum prestígio), os sindicatos dos trabalhadores (12% de muito prestígio, 39%, de pouco prestígio, e 48%, nenhum prestígio), os partidos políticos (10% de muito prestígio, 39%, de pouco prestígio, e 50%, de nenhum prestígio), e o Congresso Nacional (9% de muito prestígio, 50%, de pouco prestígio, e 41%, de nenhum prestígio).

A Presidência da República e ministérios possuem o menor grau de prestígio: 7% avaliam que têm muito prestígio, 25%, pouco prestígio, e 68%, nenhum prestígio.

Sobre as mesmas categorias, o Datafolha também mediu o poder ou capacidade de influência no Brasil atualmente, e as redes sociais foram apontadas como as mais influentes pelos manifestantes. Segundo 89% deles, as redes sociais têm muita influência, 9% acreditam que pouca influência, e 1%, nenhuma influência. A imprensa vem a seguir: para 77%, ela têm muita influência, 21% dizem que têm pouca influência, e 3%, que têm nenhuma influência. Os partidos políticos têm muita influência para 39%, pouca influência para 39%, e nenhuma para 21%.

Em seguida aparecem a Presidência da República e ministérios (35% de muita influência, 31% de pouca influência, e 34% de nenhuma influência), o Poder Judiciário (29% de muita influência, 54% de pouca influência, e 16% de nenhuma influência), o Congresso Nacional (29% de muita influência, 49% de pouca influência, e 22% de nenhuma influência), a Igreja Católica (27% de muita influência, 57% de pouca influência, e 15% de nenhuma influência), os sindicatos de trabalhadores (26% de muita influência, 47% de pouca influência, e 26% de nenhuma influência), a Igreja Universal do Reino de Deus (26% de muita influência, 40% de pouca influência, e 30% de nenhuma influência).

Petrobras e corrupção

Em uma escala de 0 a 10 em que zero significa nada importante e 10, muito importante, a Petrobras teve nota média 8,5 em importância para o Brasil. A maioria (57%) atribuiu nota 10 em importância à estatal. Uma parcela de 99% dos presentes ao protesto acreditam que a corrupção descoberta na Petrobras irá prejudica-la, sendo que a maioria (75%) avalia que a corrupção irá prejudicar a estatal por muito tempo e coloca seu futuro em risco. Há ainda os que acreditam que irá prejudicar por muito tempo mas não coloca seu futuro em risco (19%), e aqueles que acreditam que irá prejudicar por pouco tempo e não colocar o futuro da empresa em risco (5%).

Para 90%, a presidente Dilma Rousseff sabia da corrupção na Petrobras e deixou que ela ocorresse, e 9% avaliam que a petista sabia mas não poderia fazer nada para evitá-la.

Democracia e posicionamento político

A maioria (85%) dos manifestantes acredita que a democracia é sempre a melhor forma de governo. Para 10%, em certas circunstâncias é melhor uma ditadura do que um regime democrático, e 3% consideram que tanto faz se é uma democracia ou uma ditadura.
Também foi consultada a posição política dos manifestantes. Em uma escala de 1 a 7 em que 1 é o máximo à esquerda e 7, o máximo à direita, a média obtida foi de 4,6, ou seja, entre o centro e a direita. Um em cada quatro (25%) se posicionaram mais à direita (6 e 7), e 6%, nas posições mais à esquerda (1 e 2).

Os dados completos da pesquisa, com comparação de perfil com resultados da manifestação de 13 de março, também na Avenida Paulista, pode ser baixada neste link

Baixe esta pesquisa


Endereço da página:

Links no texto: