Folha de S. Paulo


Eu Amo Você Mãe

Eu, mesmo morando há praticamente meio século dentro de um hospital, tive momentos em que senti saudade de algo que jamais vivi.

Posso afirmar claramente: fisicamente, nada vivi das saudades que em minha mente transbordam. Contudo, minha alma sim, deve ter vivido momentos que em minha mente se encontram deveras distantes.

Apesar de não ter tido a oportunidade  dois dias após meu nascimento  de me despedir daquela que me gerou, não considero que exista adeus quando se trata de filhos e suas mães. Há apenas um longo intervalo que nos é dedicado para que caminhemos nesse mundo tão maculado por nós mesmos e, com certeza, temos a presença de nossas mães  onde quer que estejamos, elas estão ao nosso lado.

Já senti falta dela, de saber como tudo seria se ela estivesse aqui comigo, cuidando de mim e me dedicando todo seu amor. Eu acredito que não viveria dentro de um hospital, pois mãe nenhuma gostaria de deixar seu filho. Ela sempre buscaria tê-lo próximo de si. Mesmo assim, me sinto aquecida e confortavelmente coberto pelas suas asas.

Agradeço a você, mamãe, por me permitir vir a este mundo e por tudo que aprendi e continuarei aprendendo. Quero imensamente dedicar a todas as mães estrelas que brilham em meu céu, meu sorriso, meu amor, meu calor.

Eu sempre a amarei. Um dia estaremos diante um do outro, nos abraçaremos por horas e, na eternidade, tudo o que aqui vivi serão lembranças espalhadas pelo tempo. Ficarão apenas apenas as boas ações que, apesar das dificuldades, eu consegui dedicar ao próximo.

Amo você, minha mãe.


Endereço da página:

Links no texto: