Folha de S. Paulo


TV alemã cita Roberto Carlos em esquema de doping em 2002

Juca Varella/Folhapress
Yokohama (Japão). 30.06.2002.20h (local). Foto: Juca Varella/Folha Imagem. Digital - Seleção Brasileira joga com a Alemanha a final da Copa do Mundo - 2002, no Yokohama International Stadium. - Roberto Carlos comemora 2o. gol de Ronaldo.
Roberto Carlos comemora gol de Ronaldo na final da Copa de 2002, contra a Alemanha

A TV alemã ARD produziu documentário sobre um suposto esquema de doping de atletas brasileiros pacientes do médico Júlio César Alves, de Piracicaba (160 km de São Paulo). De acordo com a emissora, um dos clientes do especialista teria sido o ex-lateral Roberto Carlos durante a Copa de 2002, realizada na Coreia do Sul e no Japão. O Brasil conquistou o título do torneio.

Alves é conhecido da comunidade esportiva brasileira por defender abertamente a legalização do doping e que este seja feito de forma controlada. Ele já participou de debates sobre o assunto realizados pela ESPN Brasil e considera "ingênua" a visão de que o combate ao doping no esporte de alto nível é possível.

As práticas de Alves constam em um documento de 200 páginas entregue pela Agência Brasileira Anti-Doping ao Ministério Público de São Paulo. De acordo com a TV, o nome de Roberto Carlos estaria no documento, já que o médico se gabava do lateral ter sido um dos seus clientes e o ex-jogador teria sido visto no consultório do médico.

"Nós não pudemos abrir investigação contra ele porque não pertence a nenhuma organização esportiva", disse o português Luís Horta, que aconselhava a Agência Brasileira até o ano passado a pedido das Nações Unidas.

O documentário afirma que não há estafe qualificado em número suficiente para realizar antidoping no futebol brasileiro porque os procedimentos internacionais antidoping não são seguidos. A equipe da emissora alega ter acompanhado um jogo do Palmeiras e notado "várias violações".

Em nota enviada pela sua assessoria de imprensa, Roberto Carlos nega ter usado substâncias proibidas na carreira e afirma jamais ter sido paciente de Júlio César Alves. Atual embaixador do Real Madrid (ESP), o ex-lateral lembra ter atuado por Palmeiras, Corinthians, Internazionale (ITA), Real Madrid e seleção brasileira sem nunca ter sido flagrado em qualquer exame antidoping.

Leia abaixo o texto de Roberto Carlos:

"Repudio veementemente as acusações irresponsáveis feitas pela rede alemã ARD, e reafirmo que nunca utilizei nenhum artifício que me fizesse levar vantagem sobre meus colegas. A reportagem cita o nome de um médico do qual nunca tive conhecimento em minha vida, e meus advogados já foram acionados para rebater na Justiça as alegações mentirosas sugeridas na matéria e pedir que que os mesmos provem, em frente a um juiz e publicamente, as acusações.

Ao mesmo tempo, a matéria afirma de modo extremamente vago que 'fui visto' no consultório desse profissional em julho de 2002, período no qual retornei ao país após o título Mundial com a Seleção Brasileira, fui para Brasília participar das solenidades de premiação e, logo depois, voltei para Madri, na Espanha, sem passagem alguma por Piracicaba. Além disso, a reportagem não reproduz nenhuma prova de meu suposto envolvimento no caso.

Em toda a minha carreira, sempre defendi o jogo limpo e, acima de tudo, leal. As acusações mentirosas proferidas contra mim são completamente contrárias a esse pensamento. Em mais de 20 anos de carreira nunca testei positivo para nenhuma substância que modificasse minha performance.

Atuei profissionalmente por nove equipes no Brasil, Itália, Espanha, Turquia, Rússia e Índia, e pela Seleção Brasileira. Disputei as mais diversas Ligas do planeta, inclusive Copas do Mundo, de tal forma que, qualquer utilização proibida teria sido prontamente detectada."


Endereço da página: